Hora Certa

Às vezes dou por mim

A perguntar por ti

Sei que fui eu que marquei fim

Mas será que andas por aqui?

Não era suposto ser assim,

Nunca quis fugir.

Apenas quis tentar a sorte,

Quis tentar ser feliz,

E por isso segui

Caminhando para norte,

Mas a unica coisa que vi

Foi as portas da morte.

E junto delas permaneci,

Revivendo os momentos que não esqueci,

Mas revivo e apago

Para mal dos meus pecados.

Quero calar o desejo

E dar um desfecho,

A este romance tão ruim

Que parece não ter fim.

Mas como nem tudo que parece, é

Eu ainda me mantenho de pé,

E junto das portas da morte

Começo a sentir a sorte.

Faço as malas às memórias,

Acabaram-se as insónias.

O quer que seja que eu perdi,

Eu não quero que volte.

About trishandias

17 anos. Lisboa, Portugal.
Gallery | This entry was posted in Text. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s